BRANDON LEE:
https://www.facebook.com/groups/2677430019155088/

 

04092020 - ALEX PROYAS SOBRE BRANDON LEE:

“Eu tive o privilégio de conhecer Brandon Lee – ele era jovem, imensamente talentoso, com um ótimo senso de humor e um futuro brilhante à sua frente. Eu também tive o privilégio de chamá-lo de amigo. Nosso trabalho como ator/diretor foi além da mera colaboração. Juntos, desenvolvemos um filme que foi tocado por muitas pessoas. Eu não considero O Corvo como um filme meu. Eu queria que fosse um filme de Brandon, porque foi e porque ele nunca mais seria capaz de fazer outro filme. Ele trouxe toda sua paixão para esse filme e isso seria tudo que restaria de seu legado. É um filme do qual eu sei que ele teria orgulho. Eu concluí o longa por Brandon – lutando pela dor, ao lado de um elenco e uma equipe muito apoiadores, que sempre amaram muito Brandon. […] Éramos imbuídos pela força do espírito de Brandon, e pela sua inspiração. Não apenas seu trabalho como um incrível cineasta e ator, mas também por seu lado humano, cuja humanidade sempre nos tocou. O Corvo não seria um filme digno de um remake se não fosse por Brandon Lee. Se não fosse por ele, você talvez nem conhecesse esse pequeno quadrinho excêntrico. É um filme dele, e acho que é um caso especial onde Hollywood deveria deixar de lado, como testamento para o talento e sacrifício supremo de um homem – sem deixar outros adicionarem coisas para essa história e reescrevê-la. Eu sei que várias continuações e séries de TV foram feitas, mas a noção de trazer um reboot para esse personagem – que Brandon criou por um grande preço – não parece certa para mim. Por favor, façam com que esse permaneça sendo um filme de Brandon Lee.“

040920230 - O CORVO:

A maldita história das gravações acidentadas de «O Corvo», que acabou com a vida do filho de Bruce Lee
Em novembro de 1988 The Crow apareceu pela primeira vez na contracapa da Deadworld #10. Seu autor, James O'Barr, mostrava o primeiro gibi publicado pela Caliber Press, um que continha por sua vez um anúncio do próximo aparecimento de The Crow. O anúncio mostrava o Corvo de pé com uma escopeta fumegante em uma mão e uma espada samurai na outra, com a frase “Para algumas coisas ... não há perdão”.

A história girava em torno de um jovem chamado Eric. Ele e sua namorada, Shelly, sofrem o ataque de um bando de valentões de rua. Eric recebe um disparo na cabeça e fica paralisado, e só pode ver como o grupo fustiga Shelly selvagemente, violam repetidamente, e finalmente dão um tiro na sua cabeça. Depois vão embora achando que estão ambos mortos. De fato, Eric morre mais tarde na sala de cirurgia do hospital.

O jovem ressuscita por um corvo e busca vingança contra os assassinos, a quem começa a espreitar metodicamente matando um a um. O corvo atua como guia para Eric, fornecendo informações que ajuda, em sua busca, ainda que também o castigando a cada vez que pensa na morte de Shelly, vendo seu pesar como uma indulgência inútil que o distrai de seu propósito.

A maldita história das gravações acidentadas de «O Corvo», que acabou com a vida do filho de Bruce Lee

Sob esta sinopse, O'Barr conseguiu um sucesso sem paliativos (underground, mas, muito bem sucedido), traduzido posteriormente a quase uma dúzia de idiomas e vendendo ao redor de 750.000 cópias em todo o mundo. Uma história muito gótica e macabra, inspirada pelas influências musicais de seu autor tanto por bandas como The Cure e Joy Division, como literárias, com indícios de Edgar Allan Poe, Lovecraft ou Bram Stoker na luta agoniada e vingativa do personagem principal.

Era questão de tempo para que Hollywood chamasse à porta do escritor, e isto ocorreu poucos anos após seu lançamento. Com Batman (Tim Burton) conseguindo um enorme sucesso na bilheteria no mesmo ano que o lançamento da revista em quadrinhos, The Crow chamou a atenção do produtor Edward R. Pressman, que contratou então o diretor de vídeos musicais, Alex Proyas, para dirigir o projeto.

A maldita história das gravações acidentadas de «O Corvo», que acabou com a vida do filho de Bruce Lee
O autor cyberpunk John Shirley escreveu até quatro rascunhos do filme e cada um deles se afastava cada vez mais do material original. Como diria pouco depois O'Barr:

- "Quando o pessoal do filme dava sugestões, tendiam a se afastar muito do conceito original. Em um momento, alguém inclusive sugeriu fazê-lo como um musical com Michael Jackson."

Pouco depois, o roteirista David Schow escreveu um roteiro que foi finalmente aceito pelo estúdio. Curiosamente, O'Barr escreveu a história em quadrinhos após sua namorada ser assassinada por um motorista bêbado e, segundo disse, estava preocupado pelo elenco com Brandon, já que não queria que The Crow se convertesse em outro filme de kung fu.

Os rumores davam conta que Christian Slater estava por trás do papel, mas pediu muito dinheiro e a sugestão de O'Barr com Johnny Depp também foi recusada. Depois de uma reunião entre O'Barr e Brandon, o primeiro mudou de opinião.

- "O nível físico e carisma que ele emprestou ao papel foi incrível de ver", recorda. - "Poucos sabem como ele trabalhou duro, fez toda sua coreografa de luta e quase todas suas próprias acrobacias, a única coisa que não fez foi cair dos edifícios porque não deixaram. Isso sem sequer falar de sua atuação; trouxe a combinação correta de humor, dor e ameaça ao personagem."

Bom, é o filho de Bruce Lee, pensarão muitos, mas a verdade é que Brandon Lee não tinha nada que invejar a forma e o talento físico do pai, isso ele devia a seu amigo Chade Stahelski. Como dizíamos no começo, o diretor de "John Wick" ia ser o dublê de Brandon em algumas cenas. Chade e Brandon se conheciam há muitos anos, quando o filho do astro foi a uma Academia de Artes Marciais na Califórnia onde Chade trabalhava. Segundo o hoje diretor:

- "Lembro que íamos treinar nos sábados na academia, depois tentávamos filmar nossas próprias coisas com câmeras VHS antigas e líamos quadrinhos. Certo dia, Brandon entrou e disse que ia estrelar The Crow. Caralho! Não podia crer."

As filmagens

A maldita história das gravações acidentadas de «O Corvo», que acabou com a vida do filho de Bruce Lee
A produção tinha um orçamento pequeno em se tratando de Hollywood: pouco mais de 15 milhões de dólares. Isso supôs um trabalho cheio de problemas desde o primeiro dia. Por exemplo, um carpinteiro sofreu queimaduras graves quando uma guincho bateu em várias fiações elétricas, e um membro da equipe, ao que parece, colocou seu carro à parte traseira do estúdio, com a má sorte que a chamada "tempestade do século", que arrasou a Carolina do Norte, incendiou o veículo e destruiu parte da instalação.

Devido ao temporal, em muitas das cenas de Brandon como Draven ressuscitado o ator passou dias vestindo pouca roupa e atuando sob uma chuva torrencial. E se a chuva real não era suficiente, a equipe incorporava máquinas para simular e derramar água sobre Brandon. No entanto, enquanto a maioria se queixava das duras condições de trabalho, o ator quase sempre estava de bom humor. De fato, seu entusiasmo levou-o a protagonizar a maioria das cenas mais difíceis da produção.

A maldita história das gravações acidentadas de «O Corvo», que acabou com a vida do filho de Bruce Lee
Brandon jamais se queixou e se submeteu de forma profissional noite após noite ao intenso treinamento, caminhando descalço e empapado completamente. Todos no set estavam profundamente impressionados por seu compromisso, e por seu evidente impulso para mostrar ao público que era bem mais que o filho de Bruce Lee, bem mais que um par de bíceps.

Uma vez que filmaram estas cenas, só restavam alguns poucos dias de gravação a Brandon, todas internas e com roupa normal. Ademais, uma semana após terminar o filme ele ia se casar com Eliza Hutton.

O último dia de Brandon

A maldita história das gravações acidentadas de «O Corvo», que acabou com a vida do filho de Bruce Lee
Vários livros publicados depois da finalização da produção contam que tudo começou quando um integrante da equipe foi a uma loja local comprar artigos para a produção. Ali adquiriu um jogo de balas que levou ao set. Como a munição real nunca deve ser mantida em um área de gravação, um membro as guardou em seu carro. Ademais, este tipo de munição nunca é usado em filmes, as armas são carregadas com festim que cria o efeito de disparo.

No entanto, diferente de uma bala real, estas têm uma ponta de papelão no extremo em vez de uma de chumbo, motivo pelo qual qualquer impacto da bala disparada é mínimo.

Em um esforço por poupar tempo, a equipe de especialistas pegou a munição real no carro e decidiu modifica-la, criando uma espécie que não tinha pólvora, mas conservava a ponta de chumbo para usá-las em testes prévios de gravação. O fato passou despercebido para o resto do set e quando a bala simulada foi carregada e disparada na arma, a ponta de chumbo ficou alojada no canhão.

A maldita história das gravações acidentadas de «O Corvo», que acabou com a vida do filho de Bruce Lee
Duas semanas depois, em 30 de março, a mesma arma foi utilizada para a cena na qual Brandon Lee receberia um tiro do personagem de Michael Massee, Funboy. A sequência era fundamental: o assassinato do herói do filme, Eric Draven.

Um dos quatro valentões devia levantar uma Magnum .44 apontando a Draven quando este entrasse ao loft com as compras do casal. Somente uma bala devia ser disparada, e um dispositivo explosivo situado na sacola de compras liberaria ao mesmo tempo sangue sobre Brandon enquanto caía no chão.

Quando o ator caiu para trás pela explosão e não para frente, como todos tinham planejado, passou um tempo antes que o resto do set percebesse que algo tinha dado terrivelmente errado. De fato, levou bem mais tempo, semanas de investigação, para averiguar que demônios tinha ocorrido.

A maldita história das gravações acidentadas de «O Corvo», que acabou com a vida do filho de Bruce Lee
O impacto imediato do disparo teve como consequência uma hemorragia abdominal interna que reduziu as batidas do coração do ator a um gemido. Ficou cinza, imóvel no piso do apartamento, enquanto tentavam reanimá-lo freneticamente. Levaram-no ao hospital mais próximo tão logo a ambulância chegou, onde foi submetido a 12 horas de cirurgias intermitentes e foi declarado morto às 13:00 do dia seguinte.

O acidente que acabara de ocorrer era provavelmente o mais infeliz na história de uma produção de Hollywood, e tudo por uma estúpida variedade de razões logísticas que saíram à luz meses depois: quando a arma foi disparada com a munição de festim também levou a ponta de chumbo que ficou alojada ali duas semanas antes, acertando a barriga de Brandon.

Michael Atirou em Brandon Lee. Claro, um acidente.

Controvérsia

A maldita história das gravações acidentadas de «O Corvo», que acabou com a vida do filho de Bruce Lee
Grande parte da noção de que The Crow era uma produção maldita se origina na história que rodeia à morte de Bruce Lee. A estrela teve uma hemorragia cerebral 20 anos antes, uma causada por uma estranha reação a um analgésico.

Em seu filme biográfico "Dragon: The Bruce Lee Story" de (1993), lançado poucas semanas após a morte de Brandon, inclusive há uma cena bastante assustadora na qual o jovem Brandon é assediado pelo demônio que acaba de atacar seu pai.

Uma vez que a notícia da morte de Brandon começou a ser reportada, os teóricos da conspiração saíram de suas grutas com todo tipo de contos de ninjas, ataques de atiradores de elite e agentes da suposta tríade chinesa, ou inclusive o próprio suicídio do ator.

O público nem sequer se deu conta, até ver o filme, que Brandon foi assassinado a tiros no momento exato da história quando seu personagem morre.

Após dias de confusão e comoção depois do acidente, os produtores ficaram frente a frente com o dilema de continuar com o filme até sua finalização. A princípio pensaram que abandonar The Crow era o mais lógico. A companhia de seguros que subscreveu a produção estava disposta a aumentar o custo total até o momento e pagar o empréstimo bancário, ou pagar a finalização do filme, dependendo totalmente de como seus criadores reagiriam.

A maldita história das gravações acidentadas de «O Corvo», que acabou com a vida do filho de Bruce Lee
No entanto, e depois do funeral de Brandon, prevaleceu um estado de ânimo diferente: um desejo, entre o elenco e a equipe que tinha ficado mais coesa do que nunca, de acabar o filme em sua honra, já que ele tinha dedicado tanta energia para protagonizá-lo. Isto requereu uma combinação do remake de algumas cenas e soluções digitais usando técnicas experimentais para aqueles dias.

Obviamente, a imagem do disparo permanece encerrada e foi vista por poucas pessoas até o dia de hoje. Durante anos, persistiu o mito de que a cena da morte de Brandon era realmente visível no filme final, o que é uma tolice. Os especialistas Jeff Cadiente e Chade Stahelski, eleitos por sua semelhança com Brandon, foram utilizados para a versão da cena crucial, filmada desde o ponto de vista de Eric para evitar o primeiro plano facial.

Por verdade, The Crow se tornou um sucesso mundial como franquia de 115 milhões de dólares, uma que não só pode ser atribuída à curiosidade morbosa do público. Foi a obra póstuma e o epitáfio de uma estrela com um talento imenso que não chegou a brilhar por culpa de um acidente trabalhista e muita falta de sorte.

26-07-2019 - BRANDON COMO SHANG-CHI ??

O falecido Stan Lee, que morreu aos 95 anos, viveu para ver tanto a Marvel ganhar vida na forma de filmes, programas de TV, videogames e desenhos animados. Mas há pelo menos um personagem em quem Lee acredita e que ainda não fez sua estréia fora dos quadrinhos: Shang-Chi, o "Mestre do Kung-Fu" residente da Marvel que gozava de grande popularidade nos anos 70.

Mas quase aconteceu da melhor maneira possível. A ex-chefe de Stan Lee, Margaret Loesch, que passou seis anos como presidente e CEO da Marvel Productions, conta a Inverse que Lee empurrou para transformar Shang-Chi em um filme ou série de televisão. E Lee queria que o filho de Bruce Lee, o falecido Brandon Lee, interpretasse o personagem.

"Stan acreditava no personagem", diz Loesch. "Ele usou isso como um exemplo da história em quadrinhos que poderia se transformar no mundo do cinema e da televisão".

Na década de 1970, a cultura pop viu um aumento na popularidade da mídia de kung fu. Na esperança de entrar em ação, a Marvel buscou, e não conseguiu, obter os direitos de quadrinhos da série de TV Kung Fu, estrelada por David Carradine.

Então, em dezembro de 1973, Steve Englehart e Jim Starlin (que também criaram Thanos) introduziram o próprio mestre de kung fu da Marvel, Shang-Chi, na Special Marvel Edition # 15. Shang-Chi, em seguida, estrelou em sua própria série, Master of Kung Fu, que concorreu a 125 questões gritantes.

Reconhecido como o mais poderoso lutador do Universo Marvel, Shang-Chi é filho do vilão da polpa de Sax Rohmer, Fu Manchu, que se rebela contra o pai e se torna um herói. Nos últimos anos, Shang-Chi teve passagens como Avenger e, mais recentemente, foi um mentor / interesse amoroso para Domino, ex de Deadpool.

"Eu vou te dizer a única razão pela qual eu lembro dessa história em quadrinhos porque eu não estava muito familiarizada com ela", diz ela. Stan me apresentou a Linda, a viúva do grande Bruce Lee, e Brandon Lee, seu filho. Eles vieram para os nossos escritórios da Marvel.

Loesch não se lembra de quando exatamente este encontro entre Stan Lee e Linda e Brandon Lee (nenhuma relação) aconteceu. Mas no final dos anos 80, Brandon Lee estava embarcando em uma carreira de atriz com aparições em programas de TV como Ohara e filmes B como Laser Mission. Mais tarde, ele estrelou no escuro filme de super-heróis de 1994, The Crow, onde ele foi morto em um acidente no set.

"Stan tinha muita esperança [para Brandon]", diz Loesch. "Ele pensou que Brandon seria uma futura estrela."

26-07-2019 - A ENORME VERDADE DE BRANDON LEE:

A figura enigmática desde sua morte acidental, aos 28 anos. Filho da lenda das artes marciais Bruce Lee, Brandon viveu grande parte de sua vida tentando escapar do amplo alcance de seu pai nas indústrias de cinema e televisão. Enquanto ele, por fim, iniciou sua carreira no gênero de ação, foi seu papel de protagonista como um anjo vingador em The Crow que o catapultaria para o estrelato. Infelizmente, ele morreu antes de ver seu grande momento em Hollywood. Sua performance assombrosa como Eric Draven - um homem que voltou do túmulo um ano depois de sua morte para representar a vingança contra os homens que assassinaram sua noiva - chamou a atenção dos críticos e conquistou os corações de fãs em todo o mundo. Brandon Lee pode ter morrido jovem, mas ele conseguiu viver uma vida plena, repleta de histórias interessantes. Desde a sua infância de artes marciais até a sua morte trágica, aqui está a verdade incontestável de Brandon Lee.

Brandon Bruce Lee nasceu em 1 de fevereiro de 1965, em Oakland, Califórnia. Ele era o filho primogênito do professor de artes marciais chinês e estrela de cinema de ação Bruce Lee e uma mulher americana chamada Linda Emery, e como resultado, o garoto cresceu jogando chutes. "Entrei em artes marciais a partir do momento em que pude andar", Brandon disse uma vez. "Não havia muita arte marcial escapando na minha casa." Brandon foi treinado no estilo do próprio Bruce de kung fu, Jeet Kune Do, que era um estilo híbrido que Bruce selecionou junto de muitos chineses e outras disciplinas de artes marciais. De acordo com a Entertainment Weekly, no momento em que o garoto tinha apenas seis anos, ele poderia destruir uma placa de madeira com um único chute. Após a morte prematura de seu pai, Brandon continuou seu treinamento e desenvolvimento em Los Angeles com os ex-protegidos de Bruce, Dan Inosanto e Richard Bustillo. Ele também começou a usar outros estilos de luta como o Muay Thai, o wrestling, o jiu-jitsu e o boxe, e logo os integrou em seu estilo pessoal. Em outras palavras, Brandon Lee nasceu para ser um mestre de artes marciais.

O avô de Brandon era Lee Hoi-Chuen, uma famosa estrela cômica da Ópera Chinesa, mas o homem morreu cerca de uma semana depois que Brandon nasceu. Três anos depois, a família Lee mudou-se de Oakland para Los Angeles e lá viveu até 1971, quando se mudou para Hong Kong para a carreira cinematográfica de Bruce. Em 1973, depois que Bruce Lee morreu repentinamente de um edema cerebral enquanto ainda filmava Game of Death (foto acima), Brandon voltou para a América com sua mãe e irmã, Shannon. Ele tinha apenas oito anos no momento da morte de seu pai.
Os sobreviventes Lees retornaram a Los Angeles, onde Brandon lutou para encontrar seu lugar. Ele queria atuar, mas não em filmes de artes marciais como seu pai. No entanto, o menino lutou com a escola e foi expulso de duas escolas secundárias (e caiu de um terço). Lee acabou ganhando seu GED e passou a estudar teatro no Emerson College por um ano antes de frequentar o famoso Teatro e Cinema Lee Strasberg Institute, em Nova York, a casa do método de atuação. Enquanto a vida de Brandon Lee teve um começo realmente difícil, parece que ele estava começando a fluir como água quando se envolveu com a atuação.

Brandon Lee resistiu em se tornar uma estrela de cinema de artes marciais, apesar de estar preparado para a câmera, assim como seu pai era. Ele até recusou a oportunidade de interpretar seu pai no filme biográfico Dragon: The Bruce Lee Story. Como Lee explicou: "Eu fiquei um pouco assustada com a coisa toda, na verdade. É estranho interpretar seu próprio pai, sabe? Eu não consegui me concentrar nisso". Honestamente, isso faz muito sentido, porque se ele tivesse jogado com o pai, ele teria que fingir um relacionamento romântico com uma mulher fingindo ser sua mãe. Isso teria sido muito estranho. Jason Scott Lee passou a interpretar Bruce com aclamação da crítica, mas em 1985, Brandon não pôde mais lutar contra sua realidade após uma audição bem-sucedida para o filme de televisão, Kung Fu: The Movie. Ele foi escalado para o papel principal ao lado do veterano ator David Carradine, e em breve, Lee iria começar a aparecer em mais e mais filmes de ação.
Em 1985, Brandon Lee fez seu primeiro e único filme em Hong Kong, Legacy of Rage, e mesmo que o filme fosse em cantonês, chamou a atenção de Hollywood. Sendo tão fotogênico e talentoso quanto seu pai, só precisou de mais alguns projetos de filmes de TV para conseguir seu primeiro papel em língua inglesa em 1988, na Laser Vision, também estrelada pelo lendário ator Ernest Borgnine.

No início dos anos 90, a estrela de Lee estava em ascensão depois que seu primeiro filme de estúdio, Showdown In Little Tokyo (co-estrelado por Dolph Lundgren de Rocky IV), levou a um contrato de três filmes para o ator, que incluiu a ação de 1992. Filme, Rapid Fire. Mas foi sua performance assombrosa e emocional em The Crow, de Alex Proyas, que simultaneamente faria e terminaria sua carreira, reunindo seguidores cult que persistem até hoje. Infelizmente, o jovem ator não viveria para ver seu sucesso.

Brandon Lee tinha uma reputação de ser um ousado ousado. Como sua noiva, Eliza Hutton, explicou à People: "Ele é confiante, intenso e direto, e muitas pessoas acham isso intimidante". Na verdade, Lee estava tão confiante que frequentemente andava de motocicleta Harley Davidson sem capacete e com as mãos afastadas do guidão. De acordo com Lee, "se eu quero colocar minha cabeça em uma parede de tijolos, é da minha conta." Ele até tinha um carro fúnebre Cadillac que ele costumava fazer piada era bom para fazer acampamentos.
Em uma entrevista com Jay Leno em 1992, Lee falou sobre voltar para casa e encontrar um ladrão em sua casa. Em vez de chamar a polícia, ele confrontou o ladrão que veio para ele com uma faca, cortando seu braço. Os dois lutaram, e Lee finalmente chamou os policiais ... depois que ele separou o ombro do ladrão e quebrou o braço. Isso só mostra que Lee era um grande tomador de risco.
O homem era mesmo super intenso enquanto fazia filmes. Por exemplo, Brandon usou seu método de treinamento de atuação para se preparar para The Crow, mergulhando em uma banheira cheia de gelo para que ele pudesse sentir o quão frio Eric Draven deve ter sido como um homem morto no chão. Um produtor o repreendeu por este golpe perigoso e disse-lhe para cuidar de sua saúde, sem arriscar. Mas claramente, Lee estava sempre flertando com o perigo e sempre a um passo da morte.

É quase impossível imaginar isso agora, mas Brandon Lee não foi a primeira escolha a interpretar Eric Draven em The Crow. No início, os produtores estavam interessados ?? Em lançar um músico de verdade para o papel do roqueiro indie assassinado. Nomes como Michael Jackson e Charlie Sexton foram chutados antes que a equipe percebesse que não haveria tanto a cantar ou a se apresentar como se pensava inicialmente. Mas ainda assim, o nome de Lee não estava no topo da lista. O escritor de quadrinhos James O'Barr queria que Johnny Depp interpretasse o super-herói negro, mas no final, a experiência em artes marciais de Brandon Lee (assim como sua boa aparência latente) lhe renderam o papel.
Lee estava fortemente envolvido com o filme, mesmo antes do início das filmagens. De acordo com o The Independent, Lee trabalhou com o diretor Alexas Proyas durante a pré-produção para refazer uma parte do roteiro que envolvia um personagem vilão que Lee acreditava ser um retrato racista de um homem asiático. Mas enquanto Lee estava fazendo um bom trabalho tanto atrás quanto na frente da câmera, fazer o The Crow não foi uma experiência agradável.
Segundo o co-star Jon Polito, as condições no The Crow eram terríveis. Lee perdeu 20 quilos de seu quadro já flexível durante as filmagens. Além disso, o conto sombrio de vingança e assassinato foi filmado principalmente à noite nas condições congelantes de inverno da Carolina do Norte. Lee estava constantemente sendo encharcado de água, e as filmagens eram constantemente interrompidas para consertar sua maquiagem que era muito mais complicada de aplicar do que parece. Lee até apresentou uma queixa formal contra condições de produção dias antes de sua morte. Na verdade, as coisas foram tão duras que seu empresário chamou os produtores de raiva, acusando-os de tentar matar o ator. Concedido, The Crow não estava realmente matando Brandon Lee ... mas seria.

Com apenas alguns dias de filmagem deixados no The Crow, Brandon Lee foi acidentalmente baleado no set no abdômen pelo co-star Michael Massee em 31 de março de 1993, com uma arma inadequadamente carregada. A cena em questão não foi o "Big Moby" tiroteio, mas sim, quando Eric chega em casa para encontrar sua noiva sendo agredido. A ponta de uma bala falsa - uma rodada simulada usada em close-ups - estava alojada no barril, na frente do espaço em branco, e quando Masse puxou o gatilho, o espaço mandou o fragmento voar.
Infelizmente, ele se alojou na espinha do ator, e após seis horas de cirurgia, Brandon Lee morreu em Wilmington, Carolina do Norte, com apenas 28 anos de idade. Sua morte foi considerada um acidente por negligência. Enquanto sua mãe Linda e sua noiva Eliza Hutton concordaram em deixar a produção terminar seu trabalho, Linda ainda entrou com um processo contra a produtora que citou 13 pessoas culpadas pela morte por negligência de seu filho. Eles eventualmente resolveram fora do tribunal por danos.
Somando ainda mais a melancolia à trama gótica de The Crow, Lee e Eliza Hutton estavam prestes a se casar apenas algumas semanas depois do dia em que ele morreu, um sinistro retorno a eventos nos quadrinhos e filmes de The Crow.

Ao contrário da crença popular - e mórbida -, a morte de Brandon Lee não é vista no corte final do filme. No entanto, Lee realmente morreu antes de todas as suas cenas serem concluídas. Mas desde que o programa precisava continuar, os cineastas decidiram seguir o rumo do corpo antigo, e o futuro criador / diretor de John Wick, Chad Stahelski, foi contratado como substituto do ator de artes marciais. O dublê era usado para filmar as cenas restantes, e na pós-produção, o rosto de Lee estava sobreposto ao de Stahelski. (A famosa cena de pintura de rosto foi uma das mais caras desde que o rosto de Brandon teve que ser inserido digitalmente no espelho quebrado.) Mas, ei, temos certeza que Lee teria aprovado Stahelski preenchendo, já que os dois tinham sido bons amigos e até mesmo treinados no mesmo estúdio em LA E se você olhar atentamente para o The Crow, você pode notar os ombros muito mais amplos de Stahelski nas oito cenas em que ele representava Lee.

Por causa das circunstâncias suspeitas e súbitas em torno das mortes de Bruce e Brandon Lee, os rumores continuam até hoje sobre uma maldição familiar que tirou suas vidas. Claro, na realidade, ambas as mortes foram trágicas coincidências. A morte de Bruce Lee por edema cerebral, ou inchaço cerebral devido ao excesso de água, foi considerada uma reação alérgica a uma pílula de dor de cabeça que ele havia tomado no início do dia. A morte de Brandon Lee também foi considerada um acidente devido a negligência, e nenhuma acusação foi registrada.
Mas isso não impediu as pessoas de especularem que as tríades ou a máfia cantonesa foram as responsáveis ?? Pelas mortes. Outros culparam tudo, desde o vodu até o abuso secreto de drogas. Desde que o personagem de Bruce Lee em Game of Death foi filmado durante as filmagens de um filme, e Brandon morreu filmando uma cena similar, é fácil ver porque alguns conectariam esses eventos. Mas, por mais assombrosos que possam parecer os paralelos e presságios, a verdade é que esses foram apenas dois terríveis e dolorosos acidentes que levaram a vida de Brandon e Bruce.

Muito antes da dolorosa tragédia da morte de Brandon Lee, surgiram rumores sobre o próprio Corvo sendo amaldiçoado. Lee não foi o único a sofrer durante a produção, e seu tiro acidental não foi a única lesão que ele sofreu no set. Durante a cena em que Eric Draven atravessa a porta de uma loja de penhores, Lee na verdade ficou muito mal com o vidro de sustentação, fazendo com que Jon Polito expressasse preocupação com os riscos que seu colega estava correndo. Polito comparou o acidente com a morte de Vic Morrow, que morreu durante a filmagem de Twilight Zone: The Movie.
Outros ferimentos no set incluíram um evento horrível no primeiro dia de filmagem que envolveu um membro da equipe em uma pick-up de cereja, dirigindo em uma linha de energia e sendo eletrocutado. O homem foi gravemente queimado e quase morreu no set. Levaria anos até que ele voltasse a ter boa saúde. Outro acidente de quase morte ocorreu quando um dublê caiu no teto durante um ensaio e quebrou várias costelas. Outro membro da tripulação acidentalmente dirigiu uma chave de fenda através de sua própria mão. E um dia, um incêndio de origem desconhecida começou em um caminhão de propulsão, mas ninguém ficou ferido.
Mas ei, ainda não acabamos de listar todos os desastres. Depois de ter uma série de conflitos com seus colegas, um funcionário insatisfeito dirigiu seu carro para o estacionamento e através de uma loja de ateliês. Além disso, uma série de furacões rasgou a Carolina do Norte durante as filmagens que destruíram vários conjuntos do The Crow. Em outras palavras, o filme foi tão brutal para fazer quanto para assistir.

Brandon Lee fez apenas um punhado de filmes, incluindo Legacy of Rage (foto acima) e Showdown em Little Tokyo. Mas curiosamente, sete anos após a morte de Brandon Lee, ele foi visto em uma participação especial no filme sueco Sex, Lies, e Video Violence. Dirigido por Richard Holm, o filme é uma fantasia de horror sobre um jovem chamado Micke (Mikael Beckman) que adora assistir a filmes violentos. Uma noite, quando assiste ao programa Duro de Matar, a tela da televisão se abre e um terrorista alemão surge em seu mundo. Enquanto o filme continua, Micke descobre que todos os seus filmes violentos favoritos ganharam vida, e todos os personagens que escaparam estão passando por uma série de assassinatos sangrentos em Estocolmo.
O filme de uma hora de duração foi lançado em 2000, então Brandon teria filmado sua aparição em 1992 ou 1993, antes de sua morte. Além disso, Mel Brooks também faz uma participação especial no filme, e o filme faz referência a tudo, desde Alien e O Exterminador do Futuro até Teenage Mutant Ninja Turtles e RoboCop. Quanto a Lee, ele aparece como um espectador perturbado que testemunhou os eventos malucos do dia, e suas últimas palavras no filme envolvem dizer a Micke que ele acabou de ver um terrorista alemão passar com uma arma.

Antes de Bruce Lee morrer de um edema cerebral, a estrela das artes marciais tinha dois filhos: Brandon e Shannon. Hoje, Shannon Lee é seu único filho restante, e ela está fazendo o melhor que pode para preservar as memórias tanto de seu pai quanto de seu irmão. Ela dirige a Fundação Bruce Lee e supervisiona filmes e documentários sobre a vida de seu pai, e no 25º aniversário da morte de seu irmão, ela apareceu no Bruce Lee Podcast para falar sobre seu amado irmão mais velho. Ela até compartilhou algumas de suas entradas de diário que não tinham sido divulgadas antes.
Durante o show, Shannon falou sobre como Brandon costumava brincar com ela, mas quando chegou a hora, ele era seu defensor mais feroz. Ela conta uma história sobre como sua tia tentou forçar Shannon a parar de usar seu cobertor de conforto logo após a morte de seu pai. Brandon se levantou para o adulto, e ele pegou sua irmã de volta. Ela também falou sobre o amor de Brandon por leitura e livros (particularmente Zen e a Arte da Manutenção de Motocicletas), e como ele iria sentar com um dicionário para procurar palavras que ele não conhecia. E, evidentemente, Lee era um showman nascido, porque quando criança, ele escrevia episódios de The Twilight Zone à mão e os apresentava no palco da escola.
Shannon deveria ser o padrinho do casamento de seu irmão, mas infelizmente isso nunca aconteceu.

Mais de duas décadas após sua morte, Brandon Lee ainda é amado e deixado passar pela família, amigos, colegas e fãs. Enterrado ao lado de seu pai no Cemitério Lake View, em Seattle, o local se tornou um santuário para as duas lendas e é visitado por fãs de todo o mundo. As pessoas deixam flores, notas e outras recordações para prestar homenagem ao pai e ao filho que tocaram a vida de tantas pessoas através de seu trabalho como artistas e artistas marciais. Seus túmulos recebem tantos visitantes que o cemitério teve que instalar arbustos e arbustos para que outros túmulos na área não fossem perturbados pelo fluxo constante de convidados que vinham prestar seus respeitos a Bruce e Brandon Lee.
Para o 25º aniversário do The Crow, o Saturday Evening Post disse que o filme "capturou a angústia de uma geração". E é verdade. Os fãs do filme continuam assistindo e ouvindo a trilha sonora todos esses anos mais tarde, porque ainda ressoa. O desempenho icônico de Brandon Lee só se tornou mais melancólico ao longo do tempo, à medida que refletimos sobre sua vida tão curta e o desenvolvimento de seus vários talentos que não conseguimos ver. Ainda assim, toda vez que alguém assiste a The Crow ou lê sobre sua vida, o legado bonito e comovente de Brandon Lee continua vivo.

VOLTAR